Partido Renovador Democrático

From eRepublik Official Wiki
Jump to: navigation, search
Languages: 
EnglishIcon-English.png
PortuguêsIcon-Portugal.png
Portugues BrasileiroIcon-Brazil.png



Partido Renovador Democrático

Unknown Party

General information
Country Flag-Portugal.jpg Portugal
Abbreviation PRD
Forum link Visita
Colors Azul e Branco
Dissolution 2014 (est)
Political
Congress 0 /40 seats, 0%
Orientation Centro-Direita
Ideology Libertário

Partido Renovador Democrático é um partido político em Portugal.

O Inicío

A história do PRD começa em Agosto de 2008, quando Portugal viva centrado numa única ideologia política (PDA) que consecutivamente ganhava todas as eleições e definia o futuro do país.

Apoiado por praticamente toda a população, a governação era fácil permitindo que todas as decisões, boas ou más, fossem sempre aceites graças ao desinteresse de uma população conformada e a evidente falta de alternativas políticas. Uma destas decisões, que mais polémica gerou na altura, foi a criação de uma oligarquia económica privada denominada PENICO (mais tarde conhecida por OrgPT), e financiada exclusivamente por dinheiros estatais.

Esta oligarquia, resultado de uma joint venture de um grupo de pessoas bem conhecidas da comunidade, visava dominar a economia, proibindo a iniciativa privada, sufocando-a pela monopolização de todos os sectores de mercado, praticando preços abaixo do custo de produção e oferecendo salários inflacionados para garantir também o monopólio do mercado de trabalho. Gerir esta máquina completamente deficitária exigia largas somas de capital, que era frequentemente injectado pela impressão massiva de PTE (na versão BETA o Congresso podia “criar” PTEs infinitos sem quaisquer penalizações), resultando numa desvalorização acentuada da nossa moeda.

O PTE chegou rapidamente ao valor mais baixo (0.001), tornando-se a moeda mais desvalorizada no eRepublik. Mas esta abundância, emprego bem pago e produtos baratos começou a preocupar uma minoria crescente da população, como pré-anuncio do fosso económico e social que Portugal caminhava e que dificilmente conseguiria vir a recuperar. A abundância não dura para sempre, mas ninguém parecia importar-se.

As decisões políticas do país, centradas num único grupo de pessoas, que se revezavam no poder ao longo dos meses, dominavam a economia e promoviam um clima de medo e perseguição a todos e quaisquer jogadores que não dessem provas evidentes de veneração incondicional a este grupo.

Em 28 de Agosto de 2008 é fundado o Partido Renovador Democrático, numa comunhão de esforços de várias pessoas; Sephen, MistySor, System_2004, JoanaF e Aronfly. Mais do que um partido de políticas e filosofias dantescas, o PRD insurgiu-se como um grito de revolta contra a ditadura política, económica e social que limitava a jogabilidade, a liberdade de expressão e a vontade própria da maioria dos jogadores.

Era urgente Renovar Portugal, promovendo um socialismo democrático, atribuindo responsabilidades e favorecendo um crescimento saudável e sustentado da população. A promoção da iniciativa privada, criação de infra-estruturas de apoio ao cidadão, abertura nas decisões políticas que afectassem o futuro de Portugal, maior intercâmbio com os outros países, mais diálogo, mais transparência, credibilidade e projecção no futuro.

Apesar de o PRD surgir como um partido de libertação e renovação credível e de alternativa viável para o país, com as melhores intenções e o melhor propósito, não foi bem recebido pela comunidade, habituada a venerar automaticamente, e por reflexo, o grupo do poder, criticando todas e quaisquer formas que insurgissem contra estes.

Para desânimo dos fundadores do PRD, representar uma alternativa pelo trabalho e pela promoção de ideias e valores responsáveis revelou-se ineficaz. Era necessário criar uma imagem e “vender” o partido pela política e pelas palavras. Foi assim decidido procurar alguém que encaixasse nesta nova estratégia e pudesse representar o PRD, com o carisma necessário para desenvolver a identidade do partido. Na pequena franja da população descontente pela vida em Portugal destacava-se o VaReTaS que rapidamente aceitou o convite para endossar as fileiras do partido. Assim, no mês seguinte, o VaReTaS torna-se Presidente do PRD, com Aronfly a Vice-presidente. Esta dupla trabalhou durante 5 meses, insurgindo-se contra as ideias instaladas que se revelavam perigosas e desajustadas às necessidades reais da comunidade. Aos poucos a população começou a perceber que o PRD não era só “mais um partido”, mas uma alternativa que intervinha incisivamente nas políticas do país. Não só criticava como apresentava sugestões e mostrava como as más opções do Governo teriam péssimas consequências no futuro. Só um trabalho excepcional e insistente durante meses conseguiu provar o PRD como um partido credível e atractivo. Muitos cidadãos anónimos, que escondiam o seu descontentamento pela situação do país, deslocaram-se para o PRD na procura de um refúgio, de alternativa política e com renovada motivação para ajudar aquela que parecia ser a missão mais impossível de todas - a destituição do grupo que tomava conta do país há demasiado tempo. Um destes cidadãos foi o Humungous que se mostrou prestável e motivado na luta política, tendo vindo a revelar-se um elemento importante na persecução dos objectivos do partido.

Por esta altura o PRD era já a 2ª força política em Portugal e a 1ª força da oposição. Mas ainda assim o grupo PDA continuava a ganhar sistematicamente e de forma esmagadora todas as eleições. As suspeitas na legitimidade destas vitórias consecutivas fizeram com que o PRD mergulhasse numa crise de auto-estima. Para quê trabalhar num política mais democrática e acessível, se “do outro lado” continuavam as vitórias incondicionais, sejam quais forem as propostas que apresentem, a lista de Governo ou as promessas que faziam? Enquanto isso alguns dos eleitos vivam vidas desafogadas, gastando quantidades exorbitantes de PTE e Gold do Estado na sua promoção e evolução privada no jogo.

Baixos e Altos

Em Fevereiro de 2009, a dupla VaReTaS e Aronfly afastam-se da presidência do PRD. Neste mês, aproveitando a frágil situação do partido, o grupo PDA realiza um Take-Over nas eleições partidárias, elegendo um congénere para anular a progressão do PRD – o Alister. No mês seguinte, mais organizados, os militantes mostraram-se capazes de fazer frente a este TO, elegendo o Wes_borland. Novamente activo, o PRD continuou a ser alvo de críticas e perseguição de forma a descredibilizar o partido e despromovê-lo junto da população.

Em Abril, o VaReTaS volta sozinho à Presidência do PRD na esperança de recuperar a imagem que o partido tinha tido outrora. Terminado o mês, e não tendo conseguido os seus objectivos, o VaReTaS sai do partido e abandona o jogo. Meses mais tarde volta novamente, mas desta vez nas fileiras do PDA, tendo acabado por desistir pouco tempo depois. Neste mês é dado lugar ao novo Presidente, o BossG.

Em Junho, é eleito o Luis1989 que veio trazer ao PRD uma nova lufada de ar fresco. A militância ganhou um novo ânimo e o PRD pareceu querer renascer. Ainda assim o PDA continuava a vencer todas as eleições, numa constante e crescente desmoralização da política e da população em geral, que já não conseguia encontrar razões para estas sucessivas e estranhas vitórias sem resposta.

Em Julho de 2009 o PRD estava moribundo, sem qualquer motivação ou ânimo para continuar a trabalhar. Era impossível fazer frente às vitórias certas do PDA, que todos esperavam como o único resultado possível, independentemente das ideias ou do que prometiam ao país. Neste mês o BossG é eleito novamente Presidente do PRD. Continuando na sucessiva repetição de acontecimentos, o PDA mantinha-se no poder tomando conta do país. Mais um mês volvido, mais uma vitória que oferecia o lugar a mais um elemento do grupo, e assim se revezavam. Esta constante substituição de Presidentes não garantia novas estratégias para Portugal. Bem pelo contrário, a ideia de continuidade fazia jus ao nome do partido eleito – Deixa Andar.

Em Agosto de 2009 o PRD foi tomado por um cidadão que ninguém conhecia nem este se dava a conhecer, ocupando a Presidência do partido durante 3 meses consecutivos. O ErnestoG foi alvo de críticas e reports que ainda hoje não foram resolvidos. Nesta altura surge no PRD o marcelosantos, figura importante que veio agitar política portuguesa.

Só em Novembro o Rafael Borges conseguiu ser eleito Presidente do PRD, repetindo a eleição no mês seguinte. Foi neste mês que finalmente o PDA saiu do poder, dando lugar ao PReC. Para muitos, esta perda de poder foi “relativa”, uma vez que o PDA e o PReC tinham sido até então parceiros políticos. O PReC mantem-se no poder no mês seguinte.

Já num novo rumo

Em Janeiro de 2010 o PDA regressa novamente ao poder. O PRD, desfeito em ideologias e valores confusos, não encontra um fio condutor que possa servir como rumo a uma nova ascensão. Neste mês é candidato único o pesgores que se torna Presidente do partido.

No mês seguinte é eleito o Silver-star. Com uma nova motivação e mais empenho na oposição ao Governo PDA, o PRD começou novamente a insurgir-se e a militância ganhou novo ânimo. Uma maior dedicação e mais competência valeram ao PRD um 2º lugar renhido nas eleições Presidenciais, ainda assim com a vitória habitual do PDA.

Em Março, o Bkk_on torna-se o Presidente do PRD, tendo ficado também ele em 2º lugar nas eleições Presidenciais do mês seguinte. O PRD, apesar da filosofia diferente da sua criação, tinha a imagem recuperada, sendo novamente o principal partido da oposição, como alternativa válida a formar Governo.

Foi com o PRD em ascensão que o António Moutinho, em Abril, tornou-se Presidente do partido. Gerou-se alguma desconfiança interna, uma vez que este cidadão era conhecido defensor das ideologias do PDA. Teria o PRD sido novamente alvo de mais um Take-Over de modo anular a nova recuperação do partido? Foi dado o benefício da dúvida.

O carisma do novo Presidente conseguiu cativar os militantes, elevando o PRD a Governo pela 1ª vez na história do partido, em Maio de 2010. Ainda assim, com uma lista de Governo maioritariamente PDA e PReC foram poucos os elementos do PRD que viram nesta eleição uma oportunidade de representar o país. No entanto, a boa prestação do António Moutinho no Governo garantiu-lhe uma segunda eleição que acabou de forma trágica com um impeachment.

Em Junho é eleito o PlumpkinPT (RizonPT) para Presidente do PRD. Com ambição, dedicação e o carisma necessário ao partido, transformou o PRD num sério caso de sucesso. No mês seguinte o Silver-star é eleito para formar Governo. O DomiBoss passa a ser o novo Presidente do partido.

Já em Agosto, RizonPT volta ao PRD, tendo sido eleito novamente Presidente. Motivado, mostrou-se capaz de guiar o PRD vencendo o Congresso e organizando o partido internamente. Mas a grande novidade deste mês foi o regresso de Aronfly ao PRD, como único objectivo de candidatura às eleições presidenciais.

Eleito, formou um Governo maioritariamente PRD, convidando ainda novos cidadãos de outros partidos políticos, por se revelarem potenciais figuras de destaque na comunidade ou simplesmente para dar a possibilidade de uma experiência no Governo. Durante este mês, Aronfly procurou estabelecer no país e na população os ideais que caracterizaram a origem do PRD. Mais diálogo, mais dinamismo, maior transparência e maior competência, foram as linhas orientadoras que seguiram o seu mandato.

No mês seguinte, em Setembro, o António Moutinho é novamente eleito Presidente do PRD,com RizonPT a vice-presidente, conduzindo as dinâmicas internas do partido. O Bkk_on é eleito nas eleições Presidenciais, dando continuidade à permanência do PRD no Governo. Um mês atribulado, com a maioria da comunidade a exigir guerra, deu-se o inicio à ofensiva que veio ditar a eliminação de Portugal dos mapas do eRepublik.

Por esse motivo, em Outubro não houve eleições partidárias. O país completamente conquistado por Espanha e EUA perde todos os partidos.

Em Novembro, com algumas regiões já recuperadas, é criado um único partido nacional que concorre e vence as eleições. Renasce o PRD com quelinis na presidência.


Ideais

O Partido Renovador Democrático (PRD), enquanto ícone de Renovação para ePortugal pretende implementar medidas politico-económicas sustentáveis, baseadas num sistema credível, transparente e promissor para todos os eCidadãos.

Face ao exposto, o PRD pretende:

  • Assegurar um desenvolvimento sustentado da economia ePortuguesa.
  • Promover o socialismo democrático.
  • Implementar uma economia de mercado liberalizada.
  • Fomentar a iniciativa privada.
  • Estabelecer intercâmbios internacionais.
  • Dinamizar a cooperação internacional e induzir o mercado para a importação/exportação.
  • Dotar Portugal de mecanismos operacionais de sustentabilidade social e económica.


PRD - PARTIDO RENOVADOR DEMOCRÁTICO

PORTUGAL RENOVADO


A todos os Militantes do Partido Renovador Democrático, pede-se a inscrição no Fórum!

Fórum

Fórum